© Bruno Simão

Em Circulação > Diálogos de Henrique Furtado Vieira, 2021

Diálogos

de Henrique Furtado Vieira, 2021

Este espectáculo é uma espécie de organismo vivo que possui os intérpretes.

Em aparência e no seu discurso verbal, os intérpretes fazem um passeio por Lisboa num dia. Vão tendo conversas banais e partilhando memórias, com as quais vão criando uma arqueologia daquilo que são uns para os outros.

Mas paralelamente à (ou por dentro da) “conversa de chacha”, os corpos projectam um espaço imaginário colectivo onde cada zona do corpo é potencial ponto de acoplagem, de criação de interstícios, de espaços visíveis ou invisíveis, sugerindo acontecimentos exteriores a esses corpos, ou até criando um terceiro corpo: um corpo de corpos.

Com a ignição dos corpos, a palavra abre-se à imprevisibilidade. Por um lado torna-se vulnerável ao estado de não correspondência com os gestos, compondo-se um certo desajuste, um desalinhamento incongruente. Por outro lado, a presença da acção sobre a palavra pode revelar, paradoxalmente, não uma divisão ou um corte, mas uma relação simbiótica entre o movimento e o discurso. No encontro com o corpo em movimento, as palavras podem até tornar perceptível o imperceptível, permitem-nos sermos capazes de ver mentalmente coisas à nossa frente, de conjecturar e de criar novos significados.

A acção do corpo encontra múltiplas formas de organização que põem em vibração a “conversa de chacha”, dando assim visibilidade à dimensão sociológica mas sobretudo existencial, absurda, trágico-cómica do desempenho performativo que sustentamos na vida de todos os dias, no nosso quotidiano mais trivial. O corpo abre rachas nas palavras e mergulhamos nos abismos, nas fúrias, nos monstros, nos silêncios, nos buracos negros, nas utopias e nas distopias que palpitam dentro destes diálogos que nos parecem querer dizer “está tudo bem”.

 

Esta peça não tem início nem fim. Uma pessoa dialoga. Três pessoas dialogam. Infinitas entidades dialogam.
 
Que forma deste a estes diálogos?
Um paraquedas colorido.
Consideras-te uma forma ou um evento?
Sinto que tenho uma forma, mas esta está em constante mutação desde que fui concebido. O evento da minha vida é a vida da minha forma.
Com que forma nasceste?
Todos nascemos esferas. Mas depois os nossos contornos vão se tornando cada vez mais angulares. Alguns, os mais quadrados, tornam-se cúbicos. Um cubo é uma esfera militar.
Porque é que as coisas têm contornos?
Porque as coisas são aglomerados de matéria que ao atingirem o seu limite gravitacional de aglomeração ganham "contornos".
Então sem gravidade, não haveria contornos?
Não, porque não haveria olhos.
Porque é que os palhaços não têm pais?
Porque são demasiados os Eus dentro dum só palhaço.
Quem é que dentro de mim me decide dançar?
O que está fora da tua percepção.
Quem é que fora de mim me decide dançar?
O Big Bang, o Sagrado, a escuridão, os eclipses e a quarta dimensão.
Como chegar à quarta dimensão?
Provavelmente com uma corpovisão do universo. Um erotismo cósmico.
Não sou lá muito erótico…
Experimenta mergulhar noutras escalas. No que está fora do teu alcance.
Alcance de quem?
Do ser humano… do artista… Mas principalmente do espectador.
Gostas de adivinhas?
Muito.
Mesmo quando não encontras respostas?
Sobretudo quando não encontro respostas.
Porquê?
Sou um ilusionista do gesto.
Um mágico?
Mais ou menos. Um mágico sem acessórios.
E ainda assim sacas coelhos da cartola?
Coelhos metafóricos, sim.
E além dos coelhos?
O gesto. O corpo. O fumo. [suspensão] Se pensarmos no espaço como sólido, os corpos são como vazios nesse espaço.
Quem é que disse isso?
Eu. E o Tony Smith. E muitas outras pessoas que também dialogaram com o Tony Smith.
Comigo, queres tu dizer.
Sim, contigo, Tony Smith.
Como te chamas tu?
Tony Smith.
Porque andas em círculos?
Porque os palhaços vivem num círculo.
O que é uma ideia?
É um preconceito.
O que é uma ideia?
É um preconceito.
O que é uma ideia?
Um contorno provisório.
O que é uma ideia?
Um lugar onde o tempo está suspenso e em expansão. Como o Big Bang.
E esta peça, é sobre o quê?
Sobre ti. Sobre mim. Sobre adiar o fim do mundo.

Ficha Artística

Concepção e Direcção Artística
Henrique Furtado Vieira
 
Performance e Co-criação
Catarina Vieira, Leonor Mendes, Sérgio Diogo Matias
 
Desenho de Luz, Direcção Técnica e Espaço Cénico
Hugo Coelho – Aldeia da Luz
 
Sonoplastia
João Bento
 
Figurinos
Rita Álvares Pereira
 
Assistente de Figurinos
Ana Sofia Vicente
 
Execução de Cenografia
Rita Pico
 
Olhar Exterior
Joclécio Azevedo
 
Coordenação e Produção
Cátia Mateus
 
Administração
Vítor Alves Brotas | Agência 25
 
Co-produção
CCB – Centro Cultural de Belém
 
Residência de Co-produção
O Espaço do Tempo
 
Residências e Apoio
Forum Dança, O Rumo do Fumo, Pro.dança, Câmara Municipal de Lisboa / Polo Cultural Gaivotas | Boavista
 
Agradecimento 
Maria Antónia Matias, Marta Ramos, Marta Vieira, Miguel Pereira, Sofia Dias, Tânia Guerreiro, Tiago Barbosa, Tomás Mendes, Vera Mantero, Vítor Roriz
 
Projecto financiado por República Portuguesa - Cultura | Direcção-Geral das Artes
Projecto co-financiado pelo Garantir Cultura, Compete 2020, Portugal 2020 e União Europeia através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional – FEDER

Cronologia

30 Outubro 2021, Teatro Virgínia, Torres Novas/Portugal

Estreia 27 - 28 Agosto 2021, Destemporada, Pequeno Auditório, CCB - Centro Cultural de Belém, Lisboa/Portugal