fotografia Festival Panorama, Brasil 2015 © CLAP

Arquivo > Workshop O Corpo Pensante  de Vera Mantero / O Rumo do Fumo, 2018

Workshop O Corpo Pensante 

de Vera Mantero / O Rumo do Fumo, 2018

Workshop de composição/interpretação 

23 - 27 Julho das 14h às 18h, estúdio O Rumo do Fumo, Espaço da Penha, Lisboa/Portugal

uma organização O Rumo do Fumo

 

A relaxação, o uso da voz, a escrita, a respiração e a associação livre são alguns dos meios a serem usados neste workshop por forma a chegarmos aos movimentos, acções, estruturas e desejos de composição que se encontram neste momento em nós. Exploraremos alguns deles separadamente de forma a incorporá-los mais tarde em processos de improvisação mais longos ou complexos, ou mesmo em processos de composição. Serão também importantes os estados particulares de consciência, a atenção a sinais exteriores e interiores (awareness), o uso do espaço e a exploração de objectos e materiais. Ironia e mãos vazias levar-nos-ão mais longe ainda.

Para mim a dança não é um dado adquirido, acredito que quanto menos o adquirir mais próxima estarei dela, uso a dança e o trabalho performativo para perceber aquilo que necessito de perceber, vejo cada vez menos sentido num performer especializado (um bailarino ou um actor ou um cantor ou um músico) e cada vez mais sentido num performer especializadamente total, vejo a vida como um fenómeno terrivelmente rico e complicado e o trabalho como uma luta contínua contra o empobrecimento do espírito, o meu e o dos outros, luta que considero essencial neste ponto da história.

Vera Mantero

 

Vera Mantero estudou dança clássica com Anna Mascolo e integrou o Ballet Gulbenkian entre 1984 e 1989. Tornou-se um dos nomes centrais da Nova Dança Portuguesa, tendo iniciado a sua carreira coreográfica em 1987 e mostrado o seu trabalho por toda a Europa, Argentina, Uruguai, Brasil, Canadá, Coreia do Sul, EUA e Singapura. Em 1999 a Culturgest organizou uma retrospectiva do seu trabalho até à data, intitulada “Mês de Março, Mês de Vera”. Representou Portugal na 26ª Bienal de São Paulo 2004, com "Comer o Coração", criado em parceria com Rui Chafes. Em 2002 foi-lhe atribuído o Prémio Almada (IPAE/Ministério da Cultura) e em 2009 o Prémio Gulbenkian Arte pela sua carreira como criadora e intérprete. Desde 2000 dedica-se também ao trabalho de voz, cantando repertório de vários autores e co-criando projectos de música experimental.

 

- Inscrições encerradas
- Preço: 60€/pessoa (vagas limitadas)
- Condições gerais e Regulamento: descarregar
- Atribuição de bolsas para frequência gratuita a pessoas com dificuldades financeiras 

 

Morada: Travessa do Calado, 26b, Penha de França, Lisboa
Transportes: METRO Anjos ou Alameda / AUTOCARROS 706, 718, 730, 735, 742, 797